11/05/2011

Uma história de Amor parte 3 e continua...



Nos dias de hoje é muito mais fácil saber de notícias ruins e histórias tristes, que me sinto na obrigação de dividir essa trama verdadeira e que nos ajuda a acreditar que os bons encontros acontecem, que duas pessoas que passaram dos quarenta anos ainda podem se deparar com alguém especial na vida e que tudo é possível.
Em Agosto do ano passado contei aqui sobre uma história de amor. Teve uma segunda parte e hoje relato mais um episódio real dessa história que venho acompanhando.




No final da segunda parte da história de Susana e Marcos, eles moravam juntos e o casamento tinha ficado acertado para Setembro de 2010.
Mas como a vida tem seus próprios caminhos e impedimentos, resolveu afastar temporariamente Marcos de Susana.
A mãe dele, que morava no extremo sul do pais, ficou gravemente doente e ele quis estar ao lado dela.
Um pouco mais de dois meses depois ela não resistiu a doença.
Marcos volta para o Rio.
No tempo em que passou longe, Marcos refletiu sobre sua vida.
Tinha agora uma nova famíia, mulher e enteada, além dos dois filhos já crescidos que moravam em Santa Catarina.
Ele teria novas obrigações financeiras e a boa aposentadoria que recebia como engenheiro da Petrobrás lhe parecia insuficiente.
Falou sobre essas questões com Susana que o incentivou a fazer um trabalho que ele gostasse mas que sobrasse tempo para o lazer.
E foi numa dessas caminhadas pelo bairro, ainda pensando como conseguiria uma nova colocação no mercado, numa cidade em que conhecia poucas pessoas que um inusitado encontro se deu.
Marcos tomava café numa das ruas mais movimentadas de Ipanema quando viu um rosto conhecido se aproximar dele.
Roberto e ele relembraram os tempos em que trabalharam juntos e foi nessa mesma conversa que ele fez o convite: - Marcos estou trabalhando com a equipe do Eike Batista e estamos precisando de engenheiros com experiência, minha tarefa é contratar essas pessoas e a sorte me fez encontrar você, o que acha de voltar para o mercado?
Quando Marcos contou mais tarde para Susana o encontro que teve com antigo colega de trabalho, ela nem acreditou que ele conseguiria voltar a trabalhar tão rapidamente.
Comemoraram com um delicioso jantar preparado pelo próprio Marcos e já faziam planos de viagem para a primeira folga ou férias que ele teria.
Passados duas semanas no novo emprego, Marcos não sabia como contaria pra Susana sobre a novidade que ele tinha acabado de escutar: ele teria que viajar para Singapura por um período de três meses no mínimo.
Ao saber, Susana ficou desesperada, perguntou se poderia ir também. Ela não queria passar por mais esse afastamento. Sacrificaria a convivência com a filha e a perda do próprio trabalho para acompanhá-lo.Ela acreditava no amor deles, no entanto, achava que esse distanciamento poderia prejudicar tudo o que eles queriam construir.
Nos dias que se seguiram foram os mais difíceis; Marcos envolvido no projetos que teria que levar para o exterior e Susana inconformada e triste com os últimos acontecimentos.

O dia da viagem chegou. Ao entrar naquele avião Marcos só voltaria em três meses. As conversas via Skype seriam apenas um consolo e os planos ficariam suspensos temporariamente.
Pra Susana a vida continuou com pouca alteração: filha, trabalho além do calendário que colocou na cabeceira da cama pra contar os dias que faltavam para Marcos voltar.

Faltava pouco pra eles começarem uma nova conversa quando Susana reparou que faltava menos de um mês para o retorno de Marcos.
Quando ele apareceu na tela do computador, percebeu que ela estava mais animada, sorrindo e ele ficou imaginando se ela poderia ter adivinhado o que ele teria pra contar mas não, não seria possível.
Conversaram amenidades e quando já iam desligar Marcos disse: - Susana quero te fazer um convite. Você gostaria de se encontrar comigo daqui a 20 dias em Paris?
Ela não conseguia falar nada. Ele do outro lado do mundo se divertia com a cara de espanto de Susana.
- Claro que quero! Você tá falando sério?
Marcos disse que sim, combinaram que na próxima conversa combinariam melhor como seria o encontro e desligaram.
Nem preciso dizer que Susana simplesmente não dormiu naquela noite. Correu no quarto da filha e rodou, rodou com ela.
Lívia sorria sem entender nada mas estava muito feliz em ver sua mãe tão animada.


Eles voltara de viagem nesse último final de semana e ainda não soube das novidades mas estou louca de curiosidade.
Tenho certeza que essa história só está no começo!

3 comentários:

Gata Lili disse...

Eu acho tão bonito a sua atenção com as leitoras. Escreve bem e nos leva a pensar em tantas coisas e refletir o nosso mundo. Adoro seus posts!! Continue assim.

Claudia disse...

Lili, Obrigada pelo incentivo e carinho.
bjs

Anônimo disse...

muito bonito