04/08/2010

Uma história de Amor parte 2



Depois de ouvirem as novidades, a mãe e a filha nem ousaram questionar como tudo tinha sido rápido demais.
Susana demonstrava tanta alegria, estava muito mais disposta, sempre de bom humor e as duas não queriam interferir nessa magia.

Entre a volta para o Rio de Janeiro e as férias de final de ano, Susana e Walter se encontraram por mais 4 vezes. Uma ainda a sós e nas outras três, acompanhados da filha de Susana, Lívia.
Ela sabia que era fundamental que os dois se dessem bem, caso isso não ocorresse, os planos traçados para o futuro ficariam comprometidos.
Mas para a tranquilidade de Susana, Lívia gostou muito de Walter, e ele por sua vez, por ter dois filhos adultos, disse que sabia como lidar com adolescentes.

Susana agora estava arrumando a última mala. A viagem seria na manhã seguinte e a previsão é que só voltaria para definir o quê fazer com o apartamento, pedir demissão nas escolas que dava aula e organizar todos os detalhes para a mudança definitiva para Florianópólis.
Por um momento ficou aflita. Tudo aconteceu tão rápidamente, que há seis meses atrás não poderia imaginar que a sua vida iria tomar esse rumo.
Não tinha nada a temer, certo?
Walter e Lívia pareciam que se conheciam há muito tempo, a mãe apoiou, o que era inesperado, ela se sentia cada vez mais apaixonada por Walter e ao contrário do que aconteceu em outros relacionamentos, cada vez mais ela se surpreendia positivamente com ele.
...

Na primeira vez que Lívia e Walter discutiram, Susana considerou que nem havia motivo pra ele ser tão intransigente.
Tentou amenizar a situação mas não teve muito sucesso, Walter saiu em seguida e só chegou tarde da noite.
Quando quis saber se ainda estava chateado, ele alegou estar com sono e foi dormir sem dizer mais nada.
Na manhã seguinte ele continuou silencioso respondendo somente com monossílabos.
Susana resolveu convidá-lo para almoçarem sozinhos em um restaurante do outro lado da ilha.
Durante todo o trajeto, ele prefiriu ouvir música a falar qualquer coisa.
Susana já imaginava que todo esse quadro montado não teria muita coisa boa para ouvir.
Assim que chegou o chopp e Walter tomou um grande gole, começou a dizer que gostaria de ser direto e franco.
Descobriu nesse quase um mês de convivência que não queria mais ter a responsabilidade de educar uma adolescente.
Antes que Susana falasse alguma coisa ele continuou dizendo que sabia ter sido precipitado mas que o levou a agir assim foi o sentimento que ele tinha por ela.
A convivência com a filha dela trouxe lembranças de uma época que ele tinha deixado para trás e que não eram nada boas. Não entrou em detalhes mas ela sabia que o filho dele tinha envolvimentos com pessoas erradas na adolescência e que por causa das várias brigas, tinham se afastado quando adulto.
Susana preferiu não fazer comentário e sugeriu que fossem embora.

No hotel, ele foi para o escritório e ela resolveu caminhar até a praia pra tentar colocar em ordem os pensamentos.
Chegou a uma pousada que ficava no caminho, e como professora de artes, ficou encantada com os vários quadros e artesanatos que eram vendidos ali.
Entrou pra dar uma olhada e saber quem os produzia, quando um homem chegou sorridente e simpático e falou que eles vendiam os trabalhos de vários artistas locais, era só ela dizer de quais gostou que ele diria o autor.
Conversaram sobre pintura, escultura e teatro.
Quando ele soube que ela era do Rio de Janeiro, disse ter morado na cidade por alguns anos e que sentia muita saudade do jeito carioca de viver.
Susana nem percebeu que já anoitecia, se despediu e prometeu voltar no dia seguinte para comprar alguns presentes.

Chegando ao hotel, Susana encontrou Lívia no sagão com os olhos vermelhos e muito triste.
Subiram para o quarto pra conversar e Susana descobriu que ela e o Walter tinham se desentendido mais uma vez.
Ela sabia que não havia mais jeito de permanecer alí e que o melhor seria encontrar outro lugar pra ficar, pra refletir e saber que atitude tomar.
Enquanto Lívia tomava banho, desceu pra comunicar sua resolução para o namorado que tentou impedí-la de ir embora dizendo que o que ele sentia por ela continuava do mesmo jeito.

Resolveu se hospedar na pousada que tinha conhecido naquele dia.
No jantar, percebeu que a pessoa que a tinha atendido, conversava com outro hóspede e quando a viu, veio dar as boas vindas pra ela e a filha.
Susana apresentou a filha para Marcos, esse era o nome dele e disse que ficariam até o final de semana, depois voltariam para o Rio.

Daquele dia até o domingo seguinte, Susana e Marcos tiveram tempo de conversar sobre quase todos os assuntos. Ele conheceu Lívia e conviveu com todos os momentos que uma adolescente tem.
Resolveram permanecer por alí até a metade do outro mês e Marcos combinou de passar o carnaval no Rio de Janeiro. Levaria a filha dele também.

Hoje Susana e Marcos continuam juntos. Ele mora com elas no Rio de janeiro e Lívia o considera como um pai.
O casamento está marcado para Setembro deste ano.
Susana não se arrepende de todas as "loucuras" que quase ia cometendo, afinal, se não fosse por isso, nunca encontraria o homem da sua vida.
Pelo menos por enquanto!

(Essa história é real, somente os nomes foram trocados para preservar a identidade dos personagens.)

4 comentários:

Felina disse...

menina a vida é muito doida não é mesmo, às vezes traça caminhos tão tortos pra podermos chegar no destino final, que bom que foi um final bem feliz. beijo!

Prosopopéias Cintilantes disse...

Que linda!
É bom quando a vida nos surpreende assim!
Bjs,
Stela

Andrea Sassaki disse...

Claudinha! ADOREI!!! E quase chorei também, pra variar, né???
Um beijo!

Claudia disse...

Felina, Stela e Andrea,
Eu tinha essa história tao bonita perto de mim que seria egoismo não repartí-la com outras pessoas.
Fiquei feliz de contá-la e saber que vocês gostaram.
bjs