01/10/2011

Olha que legal!


No ano passado amiga me pediu ajuda porque queria adotar um gatinho.
Tudo certo para que o Rock fosse esse felizardo mas como houve até abaixo-assinado da minha filha pra que ele ficasse conosco, o desfecho da história todos conhecem.
Começamos então uma nova busca por um gatinho ou gatinha.
Não foi tão simples assim.
A ficha da minha amiga teve que ser analisada por pessoas na pet shop e como é de se imaginar não foi entrar na loja, pegar a gatinha e sair. Precisamos insistir bastante para que a adoção fosse agilizada.
O ideal é que todo lugar fosse assim!


Superado os detalhes, a Josefina se tornou a nova integrante de uma família que nunca teve gatos.

Na casa onde moram três pessoas, todos ficaram encantados com a gatinha e por causa dela o amor aos gatos foi ficando cada vez maior.
Passaram a visitar eventos de adoção, conversar com outras pessoas que tinham bichanos e conhecê-los melhor.
E pra minha surpresa, a amiga me conta que haviam adotado outra gatinha.
Ela veio de um evento do Largo do Machado, foi amor a primeira vista do marido e da filha.
Quando menos esperava a gatinha já estava com eles com tudo acertado para levá-la pra casa.
A Filomena tem uma historinha triste: ela foi encontrada perto de um viaduto ainda bebezinha e a pessoa que a adotou ficou com ela só por dois meses alegando que a Fifi não é chegada a colo, é muito assustada e esquiva.

Nessa semana  fui conhecê-la e rever a Josefina que se tornou uma gata bonita, com pelagem cinza bem diferente das habituais.
A Filomena fugiu de mim o tempo todo mas estava na sala prestando a atenção em tudo o que eu fazia.
Quando levantei do sofá, ela foi até lá, cheirou minha bolsa e deitou encostadinha nela.
Passados alguns instantes ela estava na caminha e eu fui chegando perto, bem devagar.
Comecei com carinho na pata, ela deixou.
Depois na primeira distração peguei-a no colo e fiz muito cafuné, ela não teve reação: não mordeu, nem arranhou, permaneceu quietinha...
Quando soltei-a,  me deu um tapinha com a pata sem unhas, correu e ficou me olhando de longe.




5 comentários:

Art by Lu disse...

Que bacana! =D
Pode não parecer, mas eu já tive medo de gatos!!! hahahaha Não era bem medo, era falta de informação e má influencia de crenças populares estúpidas, daquelas tipo: "gatos são traiçoeiros, gatos não gostam das pessoas, etc..."
Minha mãe sempre dizia: "não é assim, gatos são fofos e vc só pensa dessa maneira porque nunca teve". E ela estava certa!! =D
Só fui conhecer realmente os felinos quando comecei a namorar o marido. Adotei a primeira quando minha mãe ainda era viva. E coincidentemente, depois que ela faleceu, minha vida se encheu de gatos =D Hoje são 30 \o/
Pra quem um dia teve idéias erradas sobre gatos, acho que evoluí bastante!! hahahaha
Bjão = )

Claudia disse...

Lu,
Adorei seu sincero depoimento e como você diz, eles te cativaram tanto que hoje já são 30!
bjs

Gisa disse...

Oi amiga! Lembro quando estavas procurando um gatinho para "substituir" o Rock para tua amiga. Foi muito legal conhecer a sequência da história e ver o amor aos felinos dando frutos. Para amar os gatos basta abrir o coração, conhecer o jeitinho de cada um, respeitar suas diferenças e seu tempo. Lindo o post, lindas a Filomena e a Josefina. Beijos mil

Claudia disse...

Fiquei muito feliz quando fui visitar as meninas e saber que estão sendo tão bem cuidadas.
A Filomena quando chegou não queria muita brincadeira com a Josefina mas agora as duas fazem a maior farra.
Mais duas gatinhas sendo bem tratadas e amadas!
bjs

eva disse...

As vezes por falta de conhecimento perdemos grandes oportunidades. Gatos são cativantes. Fico feliz de ver que uma gatinha esta aprendendo que pode confiar nas pessoas e receber carinho, nada como ter uma familia amorosa para isso.
beijos